NOTÍCIAS

ACIP


Nova versão do golpe do boleto faz mais vítimas

ÚLTIMAS

NOTÍCIAS

Com a chegada de um novo mês, o comerciante Eduardo Mello, de 49 anos, reuniu as contas que recebe por e-mail e pagou os boletos pelo internet banking, como de costume.

No entanto, uma das prestadoras de serviço — a empresa de cuidadores de idosos que ampara seus pais, de 96 e 88 anos — reclamou não ter recebido o crédito.

Após checar que o endereço de e-mail estava correto, mas que o código de barra enviado divergia do recebido, Mello se deu conta de que havia caído em um golpe:

— Apesar de o boleto estar com o nome correto da empresa, no comprovante de pagamento o beneficiário era outro. Não conferi na hora da transação e acabei depositando R$ 5.330 para golpistas.

Segundo a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), aumentou em 45% o número de golpes durante a pandemia do novo coronavírus. Fraudes relacionadas a boletos bancários são uma preocupação antiga do setor.

No fim de 2018, o segmento lançou a Nova Plataforma de Cobrança, que garantiu o registro de todos os boletos, com a inserção de informações ao documento, como CPF ou CNPJ do emissor e do pagador do boleto. O objetivo era deter prejuízos anuais de R$ 450 milhões em fraudes com boletos físicos.

Para os boletos virtuais, no entanto, a plataforma representa apenas mais uma camada de segurança ao possibilitar a conferência dos dados do beneficiário no momento do pagamento, mas não oferece proteção efetiva.

Vírus altera código

De acordo com o diretor do dfndr lab, laboratório especializado em segurança digital da PSafe, Emilio Simoni, o bolware é uma modalidade criminosa muito comum no Brasil.

O golpe começa quando a vítima faz o download de um arquivo no computador, sem saber que se trata de um malware, um vírus, que permite a inserção de código malicioso, que modifica a linha digitável do código de barras de boletos.

— Um erro comum é pensar que o e-mail está vulnerável apenas no computador. O uso do celular pode acarretar ainda mais vulnerabilidades na segurança de dados pessoais, bancários e credenciais de acesso. Por isso, é preciso manter o antivírus também no celular — orienta Simoni.

Na tentativa de rever seu prejuízo, Mello registrou boletim de ocorrência para tentar rastrear os criminosos. O comerciante pediu ao Bradesco que a transação fosse estornada, mas não teve sucesso.

Procurado, o Bradesco alegou que a adulteração não ocorre no ambiente do banco e que disponibiliza informações do beneficiário e do pagador do boleto, que permitem, no momento do pagamento, a aferição para evitar fraudes.

O banco disse ainda investir e adotar sistemas de segurança antifraudes e que este tipo de ocorrência está relacionada a ações externas que interceptam o boleto.

A Polícia Civil informou que as investigações estão em andamento.

No comprovante de pagamento da transação fraudulenta paga por Mello, o beneficiário consta como PagSeguro. Procurada pela reportagem, a empresa disse não ter registrado ocorrências semelhantes, destacando que os boletos são registrados, permitindo identificar o beneficiário.

Risco da atividade

Sem reservas econômicas, Mello negociou com a empresa de cuidadores de idosos o pagamento da mensalidade em duas parcelas, para não deixar os pais sem assistência:

— Esse pagamento é feito com a aposentadoria dos meus pais. Pensei em pegar dinheiro emprestado para quitar.

Para o advogado do Instituto de Defesa do Consumidor (Idec) Igor Marchetti, no entanto, Mello não deveria ficar no prejuízo. Ele diz que tanto o banco como a prestadora de serviço devem se responsabilizar pois, conforme previsto no artigo 20 do Código de Defesa do Consumidor, ao oferecer a forma de pagamento, assumem os riscos:

— A recomendação é que o consumidor faça um boletim de ocorrência, com o boleto e o comprovante de pagamento, bem como as mensagens de envio para o documento falso. Entendemos que o banco e o prestador de serviço devem reparar essa perda ao cliente. O prestador do serviço, aliás, também tem responsabilidade uma vez que fica evidente o conhecimento do golpista sobre o contrato.

Veja dicas para não cair na fraude

Confira
Na hora do pagamento, confira os dados do beneficiário, CPF ou CNPJ e se a conta está correta. Verifique se os primeiros dígitos do código coincidem com o do banco emissor.

Não imprima
Há vírus que entram em ação na hora da impressão. Solicite o envio do arquivo em PDF, mais difícil de adulterar.

Download
Baixe boletos diretamente no site do banco ou da empresa. Duvide de boletos enviados por e-mail.

Fique atento
Suspeite se achar erros de português, diferença na formatação e falhas no código de barras.

Fonte: O Globo
Últimas Noticias
Prorrogação de vencimento de impostos não é anistia

A equipe econômica sinalizou nesta quinta-feira que não trabalhará com outra prorrogação no vencimento de impostos em meio à crise com o coronavírus.

“Prorrogação de vencimento de...

Programa para ajudar microempresas só está disponível em 5 bancos

Criado há mais de um mês para tentar destravar o crédito para os pequenos negócios, o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe) só está disponível em cinco banco...

Gilmar dá nova decisão sobre correção trabalhista

Uma nova decisão do ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal), ampliou a polêmica em torno do índice aplicado em correção monetária em ações trabalhistas. O despacho é desta quart...