NOTÍCIAS

ACIP


Endividado, brasileiro usará 13º para poupar e comprar

ÚLTIMAS

NOTÍCIAS

As dívidas acumuladas ao longo dos últimos anos não parecem tirar o sono dos brasileiros que estão com nome sujo na praça. Em vez de usar o 13º salário para diminuir o endividamento, a maioria pretende pegar o dinheiro para poupar, investir ou comprar presentes de Natal.

A conclusão está em estudo do birô de crédito SPC Brasil, que mostra que 27% pretendem usar o recurso extra para economizar ou investir. Já 23% querem fazer compras de Natal, enquanto 17% pretendem pagar dívidas atrasadas.

É basicamente o contrário do que prega o corolário de finanças pessoais. A recomendação é sempre priorizar o pagamento de dívidas, equilibrar o orçamento, começar a poupar e, se sobrar alguma coisa, consumir.

Dados da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) e do SPC Brasil indicam que, em outubro, havia 62,9 milhões de inadimplentes no país. O valor médio da soma de todas as pendências é de R$ 2.615,98 —mas 14% não sabem quanto devem.

Para Flávio Borges, superintendente de finanças do SPC Brasil, o resultado da pesquisa é preocupante. “A gente esperava que as pessoas priorizassem o pagamento de dívidas. Mas elas vão comprar presente, independentemente da situação financeira”, diz.

Ele avalia que alguns fatores podem explicar a decisão equivocada. “Tem muita gente que já deve há muito tempo, e isso vai mudando um pouco a percepção das pessoas sobre o que é estar endividado e o que é estar com nome sujo”.

É como se o consumidor se acomodasse nessa situação ruim, em que não tem acesso a crédito, o que é perigoso.

A expectativa de melhora na economia também pode ter colaborado para a decisão de não priorizar o pagamento de contas, afirma Borges. “Há um otimismo no mercado com o novo governo, que se reflete nos hábitos de compra dos consumidores. Eles tendem a contrair mais dívidas por confiar no futuro.”

De maneira geral, a recomendação para quem está no vermelho é pegar usar o 13º salário para quitar as dívidas, priorizando as que têm os juros maiores e que podem comprometer mais o orçamento em caso de não pagamento.

Depois de quitadas as dívidas e se sobrar dinheiro, é importante economizar. O objetivo é formar uma reserva de emergência que dê para pagar ao menos seis meses das principais contas do consumidor.

Desta forma, em caso de desemprego, ele tem recursos que garantem um fôlego financeiro até que possa se reposicionar no mercado de trabalho —e sem a necessidade de aceitar a primeira proposta que aparecer no caminho.

Por fim, o que sobrar pode ser investido para formar patrimônio ou para o consumidor realizar sonhos de consumo, indica o especialista.

Fonte: Folha de S.Paulo
Últimas Noticias
CCJ aprova reforma tributária e discussão avança na Câmara

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara aprovou nesta quarta-feira a admissibilidade da reforma tributária de autoria do líder do MDB, Baleia Rossi (SP). A proposta de emenda à Constitui&cc...

5 dicas para que a gestão financeira não seja um obstáculo

A gestão financeira é um dos maiores segredos para o sucesso da empresa. Saber administrar o dinheiro que passa por sua empresa, fazer um plano de ações e de como o dinheiro vai ser investido é essencial para qualquer tama...

Como um mercadinho pode sobreviver ao lado de grandes redes?

O pequeno mercado tem mais agilidade e capacidade de adaptação que as grandes redes, pois tem maior poder de decisão sobre seus rumos. Além disso, ao estar mais próximo, tem mais facilidade para entender a real necessidade...