NOTÍCIAS

ACIP


Vendas do comércio caem 0,5% em julho, a terceira queda seguida

ÚLTIMAS

NOTÍCIAS

As vendas do comércio varejista brasileiro tiveram queda de 0,5% em julho na comparação com o mês anterior, e de 1% em relação a julho do ano passado, informou o IBGE nesta quinta-feira (13) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Assim, o setor acumula perda de 2,3% desde maio, quando foi deflagrada a greve dos caminhoneiros.

O resultado veio abaixo do esperado pelo mercado. Em pesquisa da Reuters, a expectativa era de alta de 0,3% na comparação mensal e de avanço de 1,2% em relação ao mesmo mês do ano anterior.

De acordo com o IBGE, cinco das oito atividades do comércio pesquisadas tiveram queda na passagem de junho para julho. No acumulado do ano, frente a igual período do ano anterior, o volume de vendas registrou avanço de 2,3%, acompanhado somente por três das oito atividades. Já o acumulado em 12 meses passou de 3,6% em junho para 3,2% em julho, sinalizando perda de ritmo nas vendas.

Os setores que tiveram queda foram:

- Móveis e eletrodomésticos (-4,8%)
- Outros artigos de uso pessoal e doméstico (-2,5%)
- Tecidos, vestuário e calçados (-1,0%)
- Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-2,7%)
- Livros, jornais, revistas e papelaria (-0,9%).

Já os três que tiveram alta nas vendas foram:

- Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (1,7%)
- Combustíveis e lubrificantes (0,4%)
- Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (0,1%)

O IBGE destacou que o resultado de julho devolveu parte das perdas registradas no mês anterior para os setores de hipermercados e combustíveis, respectivamente, de -3,6% e -1,9%.

Já na comparação com julho do ano passado, na série sem ajuste sazonal, as vendas do comércio tiveram queda de 1,0%, também com cinco das oito atividades com resultados negativos. O resultado interromeu uma sequência de 15 taxas positivas seguidas nesta base de comparação.

"Vale destacar a influência da base de comparação elevada, considerando a liberação de recursos do FGTS, ocorrida entre março e julho de 2017", ponderou o IBGE.

Os principais destaques negativos nesta base de comparação foram nos setores de Combustíveis e lubrificantes (- 9,2%), Móveis e eletrodomésticos (-6,9%) e Tecidos, vestuário e calçados (-8,4%), seguidos por Livros, jornais, revistas e papelaria (-10,1%) e Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-4,3%).

Ainda na comparação com julho do ano passado, tiveram alta as vendas nos setores de Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (1,4%), Outros artigos de uso pessoal e doméstico (4,7%), e de Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (5,5%).

Fonte: G1
Últimas Noticias
Receita vai premiar empresas boas pagadoras de impostos

A Receita Federal implementará um programa para premiar empresas que são boas pagadoras de impostos, dando prioridade a suas restituições, crédito tributário e atendimento.

Em nota divulgada nesta quinta-f...

63% trabalham com celular fora da empresa

Pelo menos seis em cada dez brasileiros costumam utilizar smartphones para fins profissionais mesmo fora do horário de trabalho. Por outro lado, mais de 70% resolvem questões pessoais através do aparelho durante o expediente.

...

Entenda como fazer uma boa gestão financeira na empresa

O setor financeiro de uma empresa requer muita atenção. É ele quem gere os recursos disponíveis, alocando e distribuindo para os demais setores. Uma gestão financeira eficiente é necessária para a sustenta&cc...